Quais dados do veículo devem constar no histórico do carro?

Existem alguns fatores que contam muito na hora de fechar um negócio. A compra de um carro depende de determinados cuidados, sendo que conhecer o histórico do carro usado é um dos mais importantes. Assim, você poderá evitar grandes prejuízos. Ninguém fecha um negócio esperando, depois, perder tempo e dinheiro solucionando problemas. 

Identificar o histórico do automóvel possibilita antever várias situações que auxiliam a identificar se aquela compra compensará ou não. Não é sempre que todos os problemas que aconteceram anteriormente serão esclarecidos na hora da compra, o que faz com que seja necessário recorrer a outras medidas para conhecer o histórico completo do veículo usado. Algumas informações podem otimizar o histórico do carro e deixá-lo mais satisfatório.

Mas você sabe quais são essas informações? Pensando nisso, nesse post, listaremos os dados que não devem faltar. Confira!

Bloqueios

A aquisição de automóveis que apresentam restrições pode trazer muita dor de cabeça. Dependendo da gravidade da restrição, ela pode demorar muito tempo para ser resolvida, além de trazer altos custos para a sua resolução. A fim de evitar que isso aconteça, é essencial que seja feita a consulta de pendências do veículo.

O site do Checkauto oferece esse serviço mediante o pagamento de uma taxa. Normalmente, é preciso informar o número da placa, do Renavam e, se preciso, do chassi. A eventual recusa do atual proprietário do veículo em fornecer esses dados pode ser sinal de que o veículo tenha problemas. Logo, é preciso ter cautela ao realizar qualquer negociação.

Histórico de revisões

Com esse levantamento, é possível saber como foi a trajetória da manutenção do automóvel em questão. Quando se trata da mecânica, é possível verificar isso na visita ao veículo. Além disso, é recomendado que alguém que entenda muito de carros ou, até mesmo, um mecânico de confiança vá junto, a fim de que faça um diagnóstico correto — evitando, assim, as dores de cabeça futuras.

Todavia, é necessário consultar o seu histórico de manutenção, por mais que, na hora da visita, o estado do carro pareça excelente. É primordial exigir os comprovantes de revisão de veículos. Algumas vezes, o carro pode parecer inteiro, mas há a possibilidade de ter passado por vários consertos e visitas ao mecânico — consequentemente, desvalorizando-o.

Multas e pendências

Uma das principais coisas a ser feita é consultar o histórico do carro, acessando o site do Detran do seu estado ou por meio do site do Denatran. Tendo conhecimento do número de CPF ou CNPJ do proprietário do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), fica mais fácil saber se o que você está querendo comprar tem alguma pendência que possa vir a impedir que a transferência de titularidade ocorra.

Além disso, é possível consultar multas que não foram pagas e, até mesmo, se esse carro não é roubado ou furtado, além da taxa de licenciamento, que vem junto com o seguro obrigatório e do pagamento do IPVA.

É essencial a verificação de todos esses itens, pois a transferência só pode ocorrer quando as restrições forem resolvidas de forma integral. Isto é, até as parcelas do IPVA que ainda não venceram devem ser pagas antes que ocorra a venda do veículo.

Ocorrência de acidentes

Ocorrem determinados casos em que o veículo fica comprometido com algum sinistro e, depois de ir para o pátio do DETRAN ou de uma seguradora, apresentando danos, ele passa por manutenção. A questão é que há situações em que o automóvel teve estragos muito graves, e muitas vezes o conserto não o deixa perfeito.

Um exemplo seria os danos nas colunas, que dificilmente fazem com que o veículo volte ao normal. O que ocorre é que nunca mais ele conseguirá ficar alinhado absolutamente. Com isso, o desgaste de pneus e peças da suspensão ocorre com muito mais intensidade que o normal.

Originalidade da quilometragem

Uma informação que não se pode esquece de checar é a quilometragem. Não se deve confiar totalmente na marcação do odômetro, pois há uma forma de alterá-lo. Isso é considerado crime, e, caso você descubra somente depois de realizar a compra, deve tomar medidas cabíveis.

No entanto, para evitar ser enganado, procure saber se o carro rodava como táxi ou se foi de uma locadora de veículos. Esses veículos têm uma quilometragem maior em relação ao tempo de utilização. Além disso, é preciso observar os pneus — como um jogo dura normalmente 30 mil quilômetros, caso o ponteiro marque 20 mil, ele provavelmente ainda está com seus pneus originais. É possível verificar isso por meio da data de fabricação que é impressa na lateral do pneu.

Além disso, carros com alta quilometragem apresentam grande desgaste no pedal e no volante — isso surge geralmente depois de 90 mil quilômetros ou mais. Logo, se esses itens estão desgastados e o odômetro estiver marcando um valor menor que esse, desconfie. Caso queria uma análise mais minuciosa, peça que um mecânico utilize um scanner para verificar a originalidade da quilometragem.

Situação do motor

Somente por meio de vários procedimentos para atender à legislação, o motor de um veículo pode ser completamente substituído. Isso é realizado para evitar o comércio ilegal de peças, que impulsiona o furto de veículos. Existe um registro que consegue identificar se esse motor é o original ou foi substituído.

É primordial conferir essa informação para o futuro comprador. Caso haja uma irregularidade nessa parte, fica impossível regularizar os documentos, além disso, são gerados muitos gastos, e o registro fica inviável de ser legalizado.

Preço de mercado

Com relação ao preço de mercado, os valores podem sofrer variações por conta da região onde ele circulou, condição do carro e do local onde ele está sendo vendido. Ao buscar o histórico do carro usado, é possível obter esses detalhes, a fim de se chegar a um valor real do preço de mercado. Além disso, dá para saber qual é a desvalorização média do modelo — informação essencial na hora de pensar na revenda.

Por fim, com o histórico do carro usado, será possível eliminar vários problemas e ter mais certeza se aquele é ou não um bom negócio. A pesquisa com empresa especializada possibilita eliminar dúvidas cruciais para a sua compra. Além disso, o uso de aplicativos e soluções informatizadas pode otimizar o registro do histórico do carro e também a vida das concessionárias.

Agora que você conhece os dados que devem constar no histórico do carro, entre em contato com um de nossos consultores. Para isto, basta acessar nossa página!